RICE: Prioritizing Roadmap/Backlog by (Reach + Impact + Confidence) / Effort

Reach: how many people will this impact? (Estimate within a defined time period.)

Impact: how much will this impact each person? (Massive = 3x, High = 2x, Medium = 1x, Low = 0.5x, Minimal = 0.25x.)

Confidence: how confident are you in your estimates? (High = 100%, Medium = 80%, Low = 50%.)

Effort: how many “person-months” will this take? (Use whole numbers and minimum of half a month – don’t get into the weeds of estimation.)

https://www.intercom.com/blog/rice-simple-prioritization-for-product-managers/

Como Estoicismo pode te ajudar na Produtividade Pessoal?

Ontem tivemos a meetup do Mantra da Produtividade sobre Como Estoicismo pode te ajudar na Produtividade Pessoal?

Foi um Open Space online, lembrando as conversas em espaços abertos dos filósofos estoicos a mais de 2000 anos atrás.

Veja os slides a seguir:

Acompanhe os próximos eventos da meetup em https://www.meetup.com/Mantra-da-Produtividade/

Não Existem Rituais ou Cerimônias Ágeis

Um pedido que tenho: parem de utilizar os termos “rituais” ou “cerimônias” ágeis.

Parem. Por favor, parem.

Por quê? Rituais e cerimônias trazem o significado que é um culto, algo religioso, algo que deve ser feito sem questionar. Ágil não é uma religião, não somos “xiitas” em seguir diariamente os mesmos processos.

Lembre-se do primeiro valor do Manifesto Ágil: “Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas”. O processo sim é importante, mas é um meio para indivíduos trocarem conhecimento e alinharem seu trabalho através de interações. Não são ritos, nem cerimônias a serem repetidas sem questionar.

Lembre-se do primeiro princípio do Manifesto Ágil “Nossa maior prioridade é satisfazer o cliente através da entrega contínua e adiantada de software com valor agregado.” Nossa maior prioridade não é, absolutamente não é, seguir o processo.

Utilize os termos reuniões ágeis, workshops, encontros, open spaces.

Busque melhoria contínua sobre reuniões. Reflita e adapte frequentemente o próprio processo.

Em nenhum lugar do Guia do Scrum se fala em cerimônias ou rituais. Apenas reuniões. XP, mesma coisa. Método Kanban? Idem.

Scrum não é para Gestão Ágil de Projetos

Faz tempo que ouço esse termo “Scrum para Gestão Ágil de Projetos”. O que é uma contradição. Scrum é para Desenvolvimento de Produtos.

Mas qual a diferença? O que você realmente pretende com Scrum? Gerir um projeto de uma forma ágil? Leia o PMBOK, tem lá uma parte ágil. 🙂

Em Desenvolvimento Ágil de Software, fala-se de Desenvolvimento de Produtos, porque sabe-se que Software não é algo que se constrói, coloca em produção e ninguém mais precisa cuidar. Um antipadrão é construir o software num time de projeto, e depois fazer uma KT (knowledge transfer – como se conhecimento se transferisse facilmente) para um time menos preparado de suporte ou manutenção. Um time de produto, um time ágil efetivo, trabalha tanto no desenvolvimento de novas funcionalidades quanto em melhorias, dívidas técnicas (dívidas, não débito, pois possui juros) e bugs.

Scrum fala muito de Empirismo. Ou seja, muito de descoberta existe durante o desenvolvimento do produto, e isso serve como feedback para desenvolver um melhor produto, de acordo com as expectativas do cliente, do negócio, do usuário. Como se planejaria isso no início de um projeto? Dificilmente.

Ok, mas preciso gerir um projeto, o que eu faço? Tudo bem utilizar Scrum, é um método que vai ajudar sim a ser um projeto mais ágil, com menos riscos, maior engajamento das pessoas, clientes e usuários. Mas entenda, não é o propósito real do Scrum. Tente buscar a troca de projetos para produtos. Mesmo que se fale em projeto, pense em produto.

Segredo de Uma Vida Plena

“Controle o que se pode, o resto aceite.”

Parece pouca, e é realmente pouca a intersecção acima, no que realmente devemos nos focar. O interessante é que, quanto mais focamos no que interessa E no que temos controle, mais isso se amplia.

De outra forma, quanto menos focamos, mais diminui. Menos vida flui. Menos felicidade, menos paz.

Como estudo prático disso para a vida, existe o Manual de Epicteto (O Encheirídion). Já li, reli, estudei, refleti, e sempre tem algo a aprender. Um livro milenar.