Gestão de Energia

Gerenciar o nosso tempo e as nossas tarefas é essencial, entretanto a energia é o que nos fará produzir muito bem a tarefa durante o período de tempo. Essa energia está associada à capacidade de produzir algo, de realizar tarefas.

A energia física, bem como a mental e a emocional, serve como base para a produtividade. A física depende do nosso corpo, de um modo orgânico, para realizar algo. Já a energia mental vem do cérebro e da mente, atuando na cognição, na aprendizagem, no raciocínio e na memória. A emocional vem da motivação e do engajamento na realização das tarefas. De certa forma, essas energias são interdependentes, ou seja, dependem umas das outras, e a soma delas gera um estado energético que pode nos deixar mais produtivos. Visto isso, gerenciar a energia também é essencial para a produtividade.

Imagine que você vai ser o motorista de uma viagem de carro no verão. Existe o tempo necessário para viajar sem pressa, e a estrada até o destino é bem conhecida e segura. Porém, o carro não está em bom estado. O motor está fazendo um barulho estranho, os faróis não funcionam, o para-brisa não está secando o vidro quando chove, os pneus precisam ser trocados e o ar-condicionado não está resfriando.

O carro pode andar, com certeza, mas será que ele consegue ir muito longe? Será possível dirigir quando chover? E ao anoitecer? E quando fizer muito calor? O tempo e a tarefa estão muito bem, mas o carro não pode ir muito longe. Isso também é igual com a nossa energia para a produtividade, precisamos estar suficientemente bem também nessa parte.

A intenção de atingir um bom nível de produtividade está em ter foco no que realmente interessa no momento, em estar presente totalmente no que estamos realizando. Para sermos produtivos, algumas vezes ignoramos em curto prazo a nossa energia. Fazemos as tarefas com estresse, dormimos mal e cada vez menos, nos alimentamos mal, não nos hidratamos adequadamente, produzidos as tarefas em qualquer local e de qualquer forma, estamos com a mente agitada, sem atenção nem foco, não respiramos adequadamente, temos dores no corpo por estarmos cansados, com uma postura ruim, e ainda mais criamos hábitos com esses comportamentos improdutivos.

A questão são os efeitos colaterais na produtividade. Uma dívida com a produtividade vai sendo criada e acumulada no corpo e na mente. E com o tempo, de alguma forma vai ser preciso ser paga, seja mudando para melhor ou tornando-se improdutivo.

O tempo é um recurso finito e limitado, pois temos 24 horas exatas todos os dias. Já a energia é algo que pode ser pequena ou grande, nos permitindo produzir muito em pouco tempo (ou o inverso, pouco em muito tempo). O artigo da Harvard Business Review defende que devemos gerenciar nossa energia, não nosso tempo (SCHWARTZ, 2007). A meu ver, precisamos gerenciar não somente o tempo, mas também a energia e as tarefas.

Este artigo classifica a energia em quatro tipos:

  • A energia física está relacionada com a alimentação, sono e exercícios físicos.
  • A energia emocional está relacionada com o bem-estar.
  • A energia mental na concentração e no foco.
  • A energia espiritual com ter um propósito de vida, com a motivação e a autorrealização alinhadas com os valores internos da pessoa.

Em uma visão geral, a produtividade de uma empresa pode ser vista como a soma da produtividade pessoal de seus funcionários. O custo da produtividade relacionado à energia dos funcionários é alto, sendo relacionado pela falta de engajamento, distração, demissões e custos de afastamentos médicos. Veja alguns dados de empresas americanas sobre custos da produtividade relacionados à energia de seus funcionários:

  • As distrações no ambiente de trabalho, como smartphones e redes sociais, chegam a custar aos negócios americanos 650 bilhões de dólares (BARBOSA, 2010).
  • Os problemas com estresse ao ano em ambientes de trabalho custam entre 200 e 300 bilhões de dólares (GOLDSCHEIN, 2011).
  • É estimado anualmente 1.967 dólares por funcionário por perdas de produtividade relacionadas à fadiga (ROSEKIND, 2010).

Este capítulo é o que possui mais técnicas e práticas, pois estas são a base da produtividade. Para a gestão de energia, são apresentadas as técnicas e práticas sobre:

Atenção

As informações sobre saúde física e alimentar contidas nas próximas seções deste capítulo não excluem a consulta de um médico, nutricionista, profissional da saúde física e/ou qualquer outro profissional da saúde, especialmente se a pessoa tiver qualquer tipo de restrição.