Que tal um café? Uma reflexão estóica diária

Diariamente pela manhã, antes de beber a sua primeira xícara de café, pergunte-se: “Vale a pena viver e beber essa xícara de café?”.

IMG_20180902_111711700.jpg
Café sendo passado na manhã de hoje 2 de setembro de 2018. Perceba o vapor sobre o bule de café.

Por eu estar escrevendo neste momento, a minha resposta óbvia é sim, vale a pena viver. Vale a pena viver para apreciar um café. Dica: nunca faça essa reflexão com café ruim. Porém é muito mais que isso. Vale a pena viver pelos pequenos momentos que a vida proporciona. Você ainda consegue respirar naturalmente? Pode beber um café? Comer um alimento sem qualquer ajuda? Aprecie. Posso afirmar que nenhuma vida é perfeita, o que vale é focar no que há de bom. É uma escolha.

Por diversos meses durante um período sabático entre 2017 e 2018, eu me questionava quase todos os dias essa reflexão. Lendo, estudando, relendo e praticando o itens do Manual de Epiteto (O Enquirídio) em 2017, eu me tornava muito pensativo sobre a minha vida. Epiteto, dentre Sêneca e Marco Aurélio, para mim foi o maior exemplo dos estóicos, e seus ensinamentos podem parecer extretamente pesados.

Esse exercício vem do post Should I kill myself or have a cup of coffee? The Stoics and Existentialists agree on the answer de Massimo Pigliucci, um estóico e professor de filosofia da City University of New York. A resposta é “Grab a cup of joe, and focus on appreciating and creating meaningful relationships, projects to pursue, useful things to contribute to others, and things to learn for yourself (Pegue uma xícara de café, e foque em apreciar e criar relacionamentos significativos, projetos a realizar, coisas a contribuir para outros, e coisas a aprender para si próprio)”.

Como um exercício estóico relacionado, busque não reclamar de nada no seu dia. Nem de nada, nem de ninguém, nem de qualquer coisa. A responsabilidade da tua vida é exclusivamente tua, de mais ninguém. Reflita e melhore o que puder em si próprio. O que você foca, expande. Você fez a escolha.

Vale a pena viver. Que tal um café?